IoT-Business-Forum

Ecossistema de Fomento à IoT no Brasil está mobilizado para superar os desafios

10/06/2019

Alexandra Muniz, Daniel Laper, Werter Padilha, Carlos Azen e Tiago Faierstein
A quarta edição do IoT BUSINESS FORUM, evento promovido pelo portal TI Inside e focado na discussão dos modelos de negócios para adoção de Internet das Coisas no país, aconteceu nesta segunda (10/06/2019) no World Trade Center, na capital paulista.A ABES foi representada no encontro por Werter Padilha, coordenador do Comitê de IoT, que participou do painel “Desafio na construção de um ecossistema de fomento a IoT”, ao lado de Tiago Chagas Faierstein, líder do Projeto de Cidades Inteligentes da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI); Carlos Azen, gerente do Departamento de Tecnologias de Informação e Comunicação do BNDES; Daniel Laper, gerente sênior de desenvolvimento de negócios da American Tower; e Alexandra Regina Muniz, gerente de operação da Finep.

 Tiago Faierstein
A abertura do painel foi realizada por Tiago Chagas Faierstein, que falou sobre o papel da ABDI neste momento de ruptura representado pelo advento da 4ª Revolução Digital. Neste cenário, a agência tem promovido a difusão das tecnologias e processos da manufatura avançada no país e subsidiado o desenvolvimento de tecnologias e processos. O executivo destacou a criação do Living Lab, estabelecido a partir de uma parceria com o Parque Tecnológico de Itaipu (PTI), que já possui várias tecnologias implementadas, tais como veículos elétricos e medidores inteligentes de energia, e no qual poderão ser testadas diferentes inovações em conjunto com a iniciativa privada. Este lab está recebendo caravanas de prefeitos para que possam ver como se coloca em prática o conceito de cidades inteligentes.Dados sobre o mercado de TIC mundial e a posição do Brasil no ranking global de investimentos em hardware, software e serviços, que integram o Estudo sobre o Mercado Brasileiro de Software – Panorama e Tendências, produzido pela IDC e ABES, foram apresentados por Werter Padilha. Ele destacou o potencial do mercado interno brasileiro e as oportunidades de exportações, ao dizer que “é uma questão de aproveitarmos as oportunidades. As empresas do setor devem abrir suas perspectivas, pois vivemos uma quebra de paradigma, pois software e hardware estão cada vez mais integrados. Não vale mais falar que a empresa só desenvolve softwares”.

Fomento à inovação

Carlos Azen, gerente do Departamento de Tecnologias de Informação e Comunicação do BNDES, discorreu sobre a missão do BNDES no desenvolvimento das empresas e na modernização da infraestrutura, que tem dado suporte para os avanços em economia criativa, indústria 4.0, cidades inteligentes, agricultura de precisão, entre outras áreas. Ele falou ainda sobre a atuação do banco na elaboração do Plano Nacional de IoT, no fomento à inovação, no financiamento dos testsbeds de projetos e do apoio às startups por meio do programa BNDES Garagem.

Alexandra Regina Muniz, gerente de operação da Finep, falou sobre os diferentes tipos de apoios oferecidos pela financiadora, incluindo o Finep IoT para fomento à inovação, o Finep Startup, o Inovacred (financiamento a empresas com faturamento de até R$ 90 milhões), as subvenções econômicas à Indústria 4.0, os financiamentos não-reembolsáveis para universidades e institutos de pesquisa, entre outras modalidades. Ela destacou que a visão de inovação da Finep é ampla, assim as empresas podem ir até a Finep em busca de financiamentos para projetos de modernização de infraestrutura, novas tecnologias, melhorias de processos e produtos, aquisição de equipamentos etc.

Escalabilidade

Daniel Laper, gerente sênior de desenvolvimento de negócios da American Tower, falou sobre a expertise da empresa no compartilhamento de infraestrutura de antenas e do uso da rede LoRaWAN (tecnologia de radiofrequência que permite comunicação a longas distâncias com consumo baixo de energia) para internet das coisas. Esta tecnologia está presente em mais de 100 países e vem sendo utilizada pelas principais operadoras no setor de telecomunicações por contribuir para o aumento de capilaridade das conexões, para fazer os negócios do ecossistema de IoT ganharem escala.

 

Fonte: Portal ABES Software

Compartilhe este post